Sistemas de CFTV

Destina-se à observação de locais, pessoas ou processos a partir de um local remoto, onde as imagens poderão ser analisadas e eventualmente gravadas ou armazenadas em nuvem (clouding).

Existem inúmeros tipos de câmeras com uma grande variedade de recursos técnicos (fixas, móveis, analógicas, digitais, alta definição, infravermelho, entre outros), que influenciam no desempenho deste sistema. Para uma especificação perfeita, é recomendada a medição  in loco diurna e noturna dos pontos críticos a serem observados após efetuada a análise de risco.

CFTV

O sistema de CFTV (Circuito Fechado de Televisão) ou CCTV (closed-circuit television), em inglês, é comumente utilizado para compor a segurança patrimonial, de pequenas residências a grandes condomínios, de pequenas empresas a grandes corporações, de pequenas áreas a grandes parques, etc.

Os principais motivos de instalar um sistema de CFTV são: poder acompanhar, registrar e, de forma imediata – se necessário – agir contra eventuais sinistros causados por pessoas mal-intencionadas ou incidentes do dia a dia.

Câmeras de CFTV

O sistema de CFTV é composto, resumidamente, por:

Câmera de segurança: através desses dispositivos, e com toda tecnologia embarcada, que é feita a captura das imagens dos respectivos eventos;

Transmissão das imagens: Seja por cabeamento (metálico ou fibra óptica) ou Wireless (transmissão sem fio através de rádio ou Wi Fi), é o canal que permite a transmissão das imagens obtidas pelas câmeras até o sistema de gravação;

Sistema de gravação das imagens: seja equipamento de gravação como Digital Vídeo Recorder (DVR), utilizado para atender a tecnologia Analógica, e Network Vídeo Recorder (NVR), utilizada para a tecnologia IP, ou, servidor de gravação (computador) via VMS (video management system), são os equipamentos responsáveis pelo armazenamento das imagens.

As imagens podem ser gravadas conforme premissas estabelecidas como: quantidade de dias de gravação, a maneira como será a gravação – com detecção de movimento ou de forma contínua -, quantos quadros por segundo (FPS –  frame per second) que gostaria que gravasse e  et.c, sendo que, todos esses itens mencionados, influenciam na quantidade de “storage/HD” que seriam necessários para armazenar a gravação desejada.

Dispositivos para visualização das imagens: 

São através desses dispositivos que é feito o monitoramento das imagens em tempo real, se desejar. O monitoramento é feito por dispositivos como smartphones, monitores e vídeowall.

Câmera de segurança

No sistema de CFTV há vários modelos de câmeras, e, cada uma delas, é indicada para atuarem em determinadas áreas e/ou lugares. Os nomes dos modelos das câmeras são baseados, normalmente, pelas suas lentes, forma física e respectivas aplicações.

A definição da lente é feita pela distância focal, medida em mm, desejada. Porque será através do campo de visão (ou “ângulo de visão”) desejado, que será definida a escolha da lente que melhor atenda à necessidade.

Uma maneira de auxiliar na definição da distância focal é sabendo que, quanto menor ela for, maior será o campo de visão (mas com menos detalhes na imagem); e, quanto maior a distância focal, menor o ângulo de visão, mas com detalhes mais nítidos no alvo à distância.

 

Principais tipos de câmeras de segurança:

As câmeras fixas podem ser IP ou analógica, podem possuir lente fixa ou varifocal (manual ou motorizada) e limita apenas a captação de uma cena. Dentre essas câmeras fixas, existem dois modelos, sendo Bullet e Mini Dome, conforme imagens:

Câmera Bullet e Câmera Mini dome

As câmeras móveis podem ser IP ou analógica, e, permitem o ajuste de três parâmetros de captura da imagem: pan (giro do alvo da câmera no eixo horizontal), tilt (giro no eixo vertical) e zoom (ajuste da distância focal, para perto ou para longe). A câmera é também conhecida, normalmente, por Speed Dome ou apenas câmera PTZ, conforme imagem:

Câmera Speed Dome

Cena capturada de uma câmera Fisheye

A câmera se chama fisheye porque possui lentes do tipo “olho de peixe” (fisheye) que possuem ângulo de visão aumentado, permitindo acompanhamento de ações em um panorama mais abrangente, conforme imagem:

Câmera Fisheye

A câmera à prova anti-explosão são câmeras especiais projetadas para serem utilizadas em ambientes com alto risco de explosão, conforme imagem:

As câmeras térmicas (ou, mais precisamente, termográficas) são dispositivos que capturam as imagens em frequências de infravermelho (associadas ao calor), e geram imagens coloridas em que cada cor representa uma determinada temperatura.

Podem ser utilizadas em aplicações industriais (medição de temperatura por imagem, por exemplo), mas em segurança sua vantagem é destacar, intensamente, um intruso em uma situação de escuridão absoluta.

Exemplo de imagens geradas pela câmera térmica

O Exército Brasileiro classifica este tipo de produto como “restrito”, de modo que exigem exigências legais para sua importação, armazenamento e uso – como o Certificado de Registro (CR).

Vídeos Analíticos

Devido à globalização e desenvolvimento tecnológico, cada vez mais o sistema de CFTV tem experimentado um investimento em recursos fazendo com que as câmeras possuam uma inteligência embarcada capaz de atuar em diversos segmentos, dentre elas: controle de acesso, varejo, rodovia, utilizada para dados estatísticos e afins.

Quando uma imagem de vídeo é automaticamente processada, para extração de alguma informação nela representada, temos o chamado processamento analítico de vídeo.

Algumas das primeiras aplicações que surgiram foram de cerca virtual (fencing), permitindo a detecção de uma pessoa, animal ou objeto “invadindo” uma determinada região da imagem, com geração de alarme em caso de detecção.

Exemplo de cerca virtual

Aplicações posteriores incluem a contagem de pessoas, detecção de objetos, a detecção facial e o reconhecimento facial.

Exemplo de Reconhecimento Facial

Algumas aplicações especializadas dignas de menção são: detecção de chama (para alarme de incêndio) e de disparo de arma de fogo (através do processamento analítico não da imagem, mas do áudio capturado pela câmera).

De uso bastante difundido, temos o reconhecimento automático de placa veicular, ou automatic license plate recognition (ALPR), ou simplesmente LPR. O objetivo é identificar placas veiculares na imagem, e extrair os caracteres que compõem a placa por reconhecimento óptico de caracteres (OCR).

Parte do objetivo dos sistemas analíticos é servir de apoio à atividade dos vigilantes humanos – ou seja, ainda é fundamental a existência de uma equipe de segurança treinada e atenta.

Fale Conosco