Saiba como Câmeras Térmicas auxiliam no combate ao Coronavírus

A pandemia do coronavírus iniciada no final do ano passado e que está presente em quase todos os países do mundo, tem feito com que várias medidas sejam tomadas na busca de contenção da doença. Para isso, o uso da tecnologia tem sido de grande importância no combate do avanço da pandemia. Assim, o uso das câmeras térmicas, por exemplo, tem auxiliado vários países e até mesmo o Brasil na identificação de possíveis transmissores do coronavírus em ambientes públicos ou privados. Esse tipo de câmera tem a função de medir a temperatura precisamente e mostrar quando um indivíduo está com temperatura acima do normal.


Nesse texto vamos conhecer um pouco mais sobre como essas câmeras funcionam e porque são grandes aliadas no controle da epidemia do coronavírus. Veja! 

Como funcionam as câmeras térmicas? 



As câmeras térmicas ou infravermelhas são equipamentos que mostram imagens da radiação de calor emitida por um corpo. Todos os elementos (objetos e seres vivos) que estejam a uma temperatura acima do considerado zero absoluto (-273 ºC) obrigatoriamente emite radiação infravermelha. Quanto mais radiação emitida pelo corpo, maior sua temperatura. Isso acontece a todo momento, mas nossos olhos não conseguem captar essas imagens, por isso, a função dessa câmera é traduzir essa imagem infravermelha em um espectro de cores que os olhos humanos conseguem enxergar. 


Como elas ajudam na identificação de pessoas com Covid-19?



Dentre os vários sintomas conhecidos pelo coronavírus, um deles é a febre alta. Por isso, as câmeras térmicas podem ser de grande auxílio no combate da doença pois, esse tipo de equipamento consegue medir com precisão a temperatura das pessoas que estão em seu raio de alcance e alertar quando há alguém com a temperatura acima do recomendado, ou seja, acima dos 38º. Assim, esses possíveis doentes podem ser identificados e as medidas cabíveis de diagnóstico e tratamento podem ser aplicadas pelos órgãos responsáveis. Essa técnica é muito eficiente em locais de grande fluxo de pessoas, como estações de transporte coletivo, indústria, comércios e locais de passeio público.

Quais tipos de câmeras são usadas nesse caso?

No mercado existem vários tipos de câmeras térmicas, cada uma com sua particularidade, locais de fabricação (nacionais e internacionais) e recomendações de uso, das mais simples às mais avançadas.  


Por isso, antes de investir nessa tecnologia é preciso analisar o que você espera desse equipamento para escolher o modelo que mais se identifica com o seu caso. Escolha modelos que possuem um bom nível de precisão da medição de temperatura, a definição de imagem mais adequada ao seu custo-benefício e, também, a necessidade de um modelo único ou híbrido, ou seja, que transmite imagens apenas térmicas ou também comuns. A ajuda de profissionais qualificados para essa escolha pode economizar e otimizar muito o investimento nessa tecnologia. 

Outros produtos podem ajudar na identificação

As câmeras estão sendo agregadas a uma série de outras medidas tecnológicas para a contenção da pandemia, como os medidores de temperatura corporal, agregados também a um sistema completo de controle de acesso, para a identificação do indivíduo suspeito de febre antes que se adentre para locais ainda mais movimentados. 


Controles de acesso como catracas e portas liberadas com o uso de tags ou senhas, ajudam na identificação e podem ser usados conjuntamente com um Sistema de CFTV com câmeras infravermelhas. Com a aplicação dessas medidas, locais que possuem grande movimentação tem maiores chances de estarem protegidos e a contaminação pelo Covid-19 se torna diminuta.  

 

Onde esta tecnologia está sendo usada?

Além de países como Turquia, Sérvia e outros lugares na Europa, além de rodoviárias, aeroportos e empresas no Brasil já estão adotando essa técnica para diminuir o contágio por coronavírus em locais com grande circulação. Cidades como Distrito Federal e também grandes instituições como a Vale já fizeram essa adaptação para ajudar no combate a doença e proporcionar segurança aos transeuntes.

E a sua empresa já pensou em ações efetivas para criar um ambiente mais seguro de trabalho e evitar uma contaminação de Covid-19 entre seus funcionários e clientes? Se está pensando em criar um Sistema de CFTV com o uso de câmeras térmicas e/ou Sistema de Controle de Acesso, a Veolink possui soluções de última geração para que empresas tenham a segurança necessária para continuar seus trabalhos com colaboradores e clientes saudáveis e livres de contaminação. Entre em contato com nossos especialistas e saiba mais sobre os serviços que a Veolink oferece.

ARTIGOS RELACIONADOS

Lombada eletrônica educativa pode se tornar solução em condomínios residenciais

Alguns motoristas não respeitam o limite de velocidade imposto em vias públicas, e até em locais como os condomínios residenciais. No “Maio Amarelo” marcado por campanhas de alerta sobre acidentes no trânsito, a Veolink oferece uma solução para garantir a fiscalização e a conscientização. “A instalação de uma lombada eletrônica

Soluções inovadoras e customizáveis na mineração

Setor precisa de uma segurança especializada que ajuda na performance do negócio Minas Gerais e Pará são os maiores produtores de minério de ferro do país, portanto, são os Estados que mais receberão investimentos até 2028. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Mineração-Ibram- as empresas de mineração devem investir cerca

Sistemas de segurança apresentam boa performance na vigilância do Agro

O CFTV é uma das soluções disponíveis para a segurança do agronegócio A economia do Brasil é diversificada e uma das maiores do mundo. Baseada em setores como agricultura, indústria e serviços, o país possui uma grande variedade de recursos naturais, desde terras férteis e ricos depósitos minerais. A agropecuária

Veolink implanta base avançada no Centro-Oeste

O agronegócio brasileiro vem em crescimento ano após ano, colocando o Brasil como uma das potências mundiais do setor e grande produtor e exportador de diferentes produtos, como celulose, café, soja, milho, carne bovina, açúcar e suco de laranja. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),