Mercado de segurança eletrônica de olho no agronegócio

O agrobusiness é responsável por mais de 20% do PIB brasileiro (Produto Interno Bruto). Mesmo diante da pandemia, que desde março do ano passado vem causando danos à saúde e à economia mundial, o agronegócio tem sido crucial para o crescimento econômico brasileiro. Em 2019, a soma de bens e serviços gerados no agronegócio chegou a R$ 1,55 trilhão ou 21,4% do PIB. Dentre os segmentos, a maior parcela é do ramo agrícola, que corresponde a 68% desse valor, R$ 1,06 trilhão. Sem dúvida alguma, uma das razões para esse crescimento foi o uso, cada vez mais crescente, da tecnologia voltada para o agronegócio.  

 

Em 2020, mesmo com o cenário de crise mundial devido ao Covid19, a safra brasileira atingiu a cifra de $580 bilhões de reais, com uma área plantada de 67 milhões de hectares. O avanço da utilização dessas tecnologias influencia os diferentes setores da economia. Diversas empresas buscam, por meio dessas inovações, garantir mais eficiência, uma maior sustentabilidade, a redução de custos e uma maior praticidade.

“O setor de agronegócio não fica de fora desse cenário e apresenta, cada vez mais, opções tecnológicas aos produtores rurais e empresários do setor agrícola”, avalia Claudio Gaspari, CEO da Veolink, uma das principais integradoras de soluções em segurança eletrônica e gestão de dados do Brasil.

E essas tecnologias começam a impactar os resultados das safras, reduzindo perdas no campo. O agricultor já consegue, por exemplo, monitorar pontos críticos da sua propriedade, com mais facilidade e menores custos.

 

A Veolink tem em seu escopo de soluções integradas, pensadas especificamente para o agronegócio como os radares para a proteção perimetral de grandes áreas; a ronda virtual feita por meio de drones; sistemas inteligentes de controle de acesso de frota com filmagem; sistemas de pesagem integradas ao processo de segurança, além de sistemas de controle de grandes perímetros, entre outras novidades que podem ser aplicadas, com eficácia, no campo.

“O agronegócio é um grande mercado a ser explorado tanto comercialmente na venda das soluções tecnológicas, quanto no desenvolvimento de soluções específicas. A Veolink está atenta a toda essa movimentação, por isso hoje ocupamos um lugar de destaque no setor de segurança eletrônica”, afirma Claudio Gaspari.

ARTIGOS RELACIONADOS

Veolink implanta base avançada no Centro-Oeste

O agronegócio brasileiro vem em crescimento ano após ano, colocando o Brasil como uma das potências mundiais do setor e grande produtor e exportador de diferentes produtos, como celulose, café, soja, milho, carne bovina, açúcar e suco de laranja. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),

Saiba quais as vantagens de um sistema de segurança customizado

O tema segurança nas indústrias é extremamente relevante, pois toda organização – independentemente do setor em que se encontra- precisa dela para operar bem. Desde grandes siderúrgicas, passando por empresas portuárias e de transporte, refinarias e até mesmo universidades precisam de um plano que minimize riscos aos seus funcionários e

2024 será um bom ano para o mercado de segurança eletrônica

Em 2022, o setor de segurança eletrônica faturou R$11 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança; expectativa para este ano é  crescer dois dígitos O ano de 2023 foi muito desafiador para a economia em geral, com exceção do agro. Entretanto, a expectativa

Mercado de segurança eletrônica projeta curva de crescimento em 2024 

Para o ano que vem, a aposta é que o setor cresça dois dígitos; CEO da Veolink está otimista e reforça investimentos da empresa em inovações tecnológicas Neste ano de 2023, a Veolink investiu pesado em inovação tecnológica dos produtos próprios como a plataforma de gestão de acesso Nautilus, uma